terça-feira, 16 de setembro de 2014

quinta-feira, 4 de abril de 2013

21 de março de 2013
Note Júpiter no descendente (cúspide da casa 7) em Gemini. ( Exato em 17 de abril, ~15° de Gemini)

21 de março 2016. 
Note Saturno no Ascendente e Júpiter no Meio do Céu (e Netuno na casa 3)

21 de março de 0000 (1 a.C.)
Note Júpiter no Ascendente e Saturno no Meio do Céu (e Netuno na casa 3)


obs. Mapas para 21 de março porque é o equinócio da primavera no hemisfério norte / outono no sul.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Era de Aquário?


Isto de Era de Aquário apoia-se astronômicamente na precessão dos Equinócios ou do ponto Àries. O ponto Áries (ou gama) é o ponto no céu onde o plano da órbita da Terra em torno do sol (chamada Eclíptica) cruza com o plano do equador. O sol passa lá no equinócio da primavera (no hemisfério norte, equinócio do outono no hemisfério sul) aproximadamente em 21 de março.

Este ponto, devido ao fenômeno conhecido como precessão, muda em relação ao desenho das constelações distantes. A precessão é retrógrada isto é ela anda no sentido oposto ao dos planetas. Primeiro Peixes, depois Aquário, etc. Dizem que estamos na "Era de Peixes" porque o ponto Áries está sobre a constelação de Peixes.




(fonte das imagens acima: http://www.fourmilab.ch)

Astrologia Tropical e Sideral

A Astrologia Tropical conta de 30° em 30° a partir do ponto Áries para determinar os signos, pouco se importa com as constelações. As constelações tem o mesmo nome apenas por tradição mas signo e constelações são coisas diferentes. Já para a astrologia sideral são a mesma coisa. Se o planeta estiver sobre a constelação de Peixes, por exemplo mas além do ponto Áries ele está no signo de Peixes para a Astrologia Sideral e no signo de Áries para a Astrologia Tropical.

A "Era de Aquário" começaria quando o ponto Áries estiver sobre a constelação de Aquário daqui a uns 500 e tantos anos. Sendo assim toda a idéia de "Era de Aquário", pelo menos astronomicamente, é Astrologia Sideral, não Astrologia Tropical.

As constelações são só um referencial, são como um transferidor, o que importa são os ângulos. O que constelações compostas por estrelas a milhões de anos-luz de nós tem a ver conosco? A dois mil anos calcular o ponto Áries não fazia muita diferença, ele estava perto de 0° de Áries de qualquer forma. Com o passar dos séculos os astrologos perceberam que isto era importante e assim surgiu o que hoje chamamos Astrologia Tropical.

99% dos Astrólogos usam Astrologia Tropical por um motivo: a Astrologia Sideral não funciona. No ocidente praticamente não se usa, na Índia se usa porque ela tornou-se parte dos procedimentos religiosos deles, tradição, mas é extremamente imprecisa no que se refere aos signos.

Resumindo: "Astrologia Sideral" é Astrologia sem muita matemática (Porque calcular o ponto Áries necessita de alguma geometria esférica), é observação direta do céu, servia a dois mil anos, não serve mais. E a tal "Era de Aquário" depende dela.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Está aumentando a frequência de terremotos de grande magnitude?

Terremotos de magnitude maior ou igual a 7.0 de 1973 até 4 de janeiro de 2012
Os dados são do U.S.G.S. (United States Geological Survey), catálogo PDE (Este catálogo é bastante completo e começa em 1 de janeiro de 1973. Magnitude x tempo).

Grafico 1

Terremotos de magnitude 6.5 ou mais desde 1900. 
(Catálogo Centenial até 30 de setembro de 2007 e PDE depois desta data até 31 de dezembro de 2011. Magnitude x tempo)

Gráfico 2


Número de terremotos por ano de magnitude 6.5 ou mais desde 1900. (Catálogo Centenial até 30 de setembro de 2007 e PDE depois desta data até 31 de dezembro de 2011. Número de terremotos x ano)

Gráfico 3

Coeficiente de correlação de Pearson:  0.4285  
( 100*r² = 18.36 %)
Coeficiente de correlação de Spearman: 0.4311 
( 100*r² = 18.58 %) 
Teste-t :5.0103

Comentário:
Estes números indicam uma correlação positiva moderada entre o tempo e o número de terremotos M6.5+.


Entretanto se tormarmos os M6.6+ (terremotos de magnitude 6.6 ou mais), a correlação é bem menor:

Número de terremotos por ano de magnitude 6.6 ou mais desde 1900. (Catálogo Centenial até 30 de setembro de 2007 e PDE depois desta data até 31 de dezembro de 2011. Número de terremotos x ano)
Gráfico 4
Coeficiente de correlação de Pearson:  0.14466 
( 100*r² = 2.09 %)
Coeficiente de correlação de Spearman: 0.15094
( 100*r² = 2.28 %) 
Teste-t: 1.60148

Comentário:
Estes números indicam uma correlação entre o tempo e o número de terremotos M6.6+, mas é uma correlação muito fraca. A hipótese nula é mais provável.

Esta diferença de conclusões entre M6.5+ e M6.6+ se explica pelo fato de terem havido (ou sido registrados) muito poucos terremotos M6.5 entre os anos 1925 e 1945 (veja Gráfico 2).

A hipótese de terem havido mas não terem sido registrados não é muito provável porque terremotos desta magnitude não passavam despercebidos mesmo para os sismógrafos daquela época. Então, ou  o catálogo está correto e realmente não houveram muitos M6.5 naqueles anos ou isto é devido à imprecisão de medida, isto é, terremotos de magnitude M6.5 foram registrados como M6.6 ou M6.4.



quarta-feira, 22 de junho de 2011

[OFF] Manuscript4u 0.1.8 para Linux

Um programa gratuito para ler a Bíblia. Os originais em hebraico ou grego em paralelo com uma tradução. Bibliomática (também conhecida como Teomática ou Teomatemática ou Bibliomatemática).
Open Source GNU/GPL em Lazarus/Free Pascal.
https://sites.google.com/site/manuscript4u/

terça-feira, 21 de junho de 2011

Bibliamática

Bibliamática: Incríveis padrões numéricos e geométricos na Bíblia.